Megaesôfago

O Hospital Veterinário Saúde 24 horas, apresenta pequenos casos clínicos de doenças em cães e gatos.

Megaesôfago é o termo descritivo para o sintoma clínico de dilatação do esôfago. Pode ser congênito (o animal nasce com o problema) ou adquirido (secundário a outras patologias). A maioria dos casos tem natureza congênita e há evidências de que esta condição seja hereditária tanto no cão como no gato.

Megaesôfago é uma condição na qual o esôfago está aumentado (mais largo que o normal) e torna-se incapaz de empurrar o alimento digerido para o estômago.

O megaesôfago congênito tem sua origem desconhecida, e caracteriza-se por um retardo no movimento peristáltico do esôfago, resultando em um transporte anormal ou malsucedido de ingesta entre a faringe e o estômago, levando a um acúmulo de alimento e finalmente a uma dilatação do órgão. Acredita-se que a diminuição da motilidade e a dilatação esofágicas resultem de disfunção neuromuscular primária ainda desconhecida.

O megaesôfago ocorre com menor freqüência em gatos e é mais comum em cães. Ele pode ser congênito (o animal nasce com essa alteração) ou adquirido (desenvolve depois de adulto e nesse caso pode estar relacionado a outras doenças).

Os sinais clínicos incluem eliminação de alimento não digerido (regurgitação) logo após a alimentação (imediatamente ou até 12 horas após). O animal pode até sufocar-se algumas vezes. A regurgitação ocorre sem esforço e o alimento expelido geralmente está recoberto por muco. Normalmente observa-se perda de peso, fraqueza, desidratação, mineralização esquelética diminuída, abaulamento da região cervical do esôfago (sincronizado com a respiração), e o desconforto após as refeições é visível.

Outra forma de apresentação da patologia é o megaesôfago adquirido (secundário), que pode estar presente em várias enfermidades que acometam o sistema nervoso ou os músculos esqueléticos, como a miastenia gravis, toxoplasmose, cinomose, polineuropatia, lúpus eritematoso sistêmico, polimiosite, intoxicações (chumbo e tálio), hipotireoidismo, hipoadrenocorticismo, paralisia por carrapato, botulismo, gangliorradiculite, compostos anticolinesterásicos e polineurite.

O prognóstico depende da causa e da idade do início dos sintomas. Quanto mais cedo for identificada a patologia, maior a chance de sucesso no tratamento. Se ocorrer megaesôfago grave, a recuperação completa é improvável. A pneumonia e má nutrição limitam a longevidade dos animais e a morte pode ocorrer. No caso de megaesôfago secundário, se a causa fundamental puder ser identificada e tratada com êxito, a sintomatologia de megaesôfago pode desaparecer.

 

Leave a reply