Mordida de cachorro – conheça os cuidados!

Em caso de mordida de cachorro, as atitudes a serem tomadas imediatamente são as seguintes:

  • Quando ocorre sangramento, lave o ferimento com água ou soro fisiológico e sabão, por 5 a 10 minutos, para limpar ao máximo a saliva e microrganismos presentes na boca do animal.
  • Vá imediatamente a um posto de saúde ou pronto socorro (em caso de lesão com sangramento e necessidade de curativo). É importante não realizar sutura em caso de mordida de animal, pois trata-se de ferida infectada. O que pode ser realizado é curativo ou uma aproximação das margens se o ferimento for muito extenso/profundo. Em seguida, um tratamento com antibióticos de amplo espectro deve ser iniciado (com prescrição médica), profiláticos contra infecções bacterianas secundárias, devido à presença de inúmeras bactérias na boca dos cães.
  • Verifique se o animal é observável (isto é, um animal conhecido, de família, vacinado) ou não (animal de rua, desaparecido ou morto). A informação mais importante é se é observável ou não, mas é fundamental saber se o animal está sadio ou doente. Os sintomas de raiva no cão são agressividade ou paralisia, salivação excessiva, mudanças de comportamento.
  • No caso de animal observávelsem suspeita de raiva no momento da agressão e acidentes LEVES (lambedura de pele com lesões superficiais e ferimentos superficiais pouco extensos, geralmente únicos, em tronco e membros – exceto mãos e polpas digitais e planta dos pés), deve-se observar o animal por dez dias após a mordida. Se o animal continuar sadio, não há perigo. Se o animal morrer, desaparecer ou apresentar sintomas de raiva, devem ser aplicadas cinco doses de vacina (dias 0, 3, 7, 14 e 28).
  • No caso de animal observável, sem suspeita de raiva no momento da agressão e acidentes GRAVES (ferimentos na cabeça, face, pescoço, mãos, polpas digitais e/ou planta do pé; ferimentos profundos, múltiplos ou extensos, em qualquer região do corpo; lambedura de mucosas, lambedura de pele onde já existe lesão grave ou ferimento profundo causado por unha de animal), deve-se iniciar esquema profilático com duas doses de vacina no dia zero e dia 3 da mordida. Após, observar o animal por dez dias após a exposição. Se o animal permanecer sadio, não existe risco. Se o animal morrer, desaparecer ou apresentar sintomas de raiva, iniciar tratamento profilático com soro e terminar as cinco doses de vacina (a terceira entre o dia 7 e o dia 10, 14 e 28).
  • No caso de animal com suspeita de raiva no momento da agressão e acidentes LEVES, deve-se iniciar esquema profilático com duas doses de vacina no dia zero e dia 3 da exposição (mordida). Após, observar o animal por dez dias após a exposição. Se a suspeita de raiva for descartada após o 10º dia de observação, encerrar o caso. Se o animal morrer, desaparecer ou apresentar sintomas de raiva, iniciar tratamento profilático com soro e terminar as cinco doses de vacina (a terceira entre o dia 7 e o dia 10, 14 e 28).
  • No caso de animal com suspeita de raiva no momento da agressão e acidentes GRAVES, deve-se iniciar esquema profilático com soro e cinco doses de vacina nos dias 0, 3, 7, 14 e 28. Observar o animal por dez dias após a exposição. Se o animal permanecer sadio, encerrar o caso. Se a suspeita de raiva for descartada após o 10º dia de observação, suspender o esquema profilático e encerrar o caso.
  • No caso de animal NÃO observável (desaparecido ou morto), deve ser realizado tratamento em CCI local com soro e vacina anti-rábica em cinco doses nos dias 0, 3, 7, 14 e 28 da mordida (acidentes graves) ou apenas vacina em cinco doses nos dias 0, 3, 7, 14 e 28 da mordida (acidentes leves).

Vale a pena lembrar que, se a mordida for de um animal silvestre (morcego, raposa, etc), deve-se obrigatoriamente e imediatamente procurar um pronto socorro pois será imprescindível a administração de soro anti-rábico e posteriormente vacina.

Leave a reply